domingo, 10 de janeiro de 2010

RECANTO DAS EMAS » Projeto voluntário ensina meninos carentes a andar de skate


Elisa Tecles
Publicação: 25/12/2009 09:33
Todos os dias, o estudante Jorge Fernando Silva, 11 anos, observava o movimento de crianças e adolescentes na pista de skate do Recanto das Emas, cidade onde mora. O voo dos skates pelas rampas impressionava o garoto, que pediu para entrar no grupo. “Eu não sabia andar de skate, mas gostei das manobras. Agora já sei mandar o flip (confira glossário)”, disse Jorge. Desde o início do ano, ele participa do projeto Skate para todos, realizado pelo professor Tiago Barros, 21 anos. Ele é voluntário no ensino do esporte para a molecada e recupera skates para alunos que não podem comprar o brinquedo.


Neste Natal, os meninos e meninas que frequentam as aulas gratuitas ganharão um presente a mais: Tiago conseguiu patrocínio para comprar mais 15 skates. O equipamento deve chegar antes de sexta-feira e possibilitará que mais jovens aprendam o esporte.


Há cinco anos, Tiago começou a andar de skate e montar rampas de madeira para treinar as manobras. Um espaço vazio na quadra 101 do recanto das emas chamou a atenção do rapaz. Era o terreno de uma antiga boate que desabou e ficou sem utilidade. “Eu via que o lugar estava abandonado e que poderia ser um lugar para andar de skate. Comecei a desenhar as rampas e fui atrás de patrocínio”, lembrou o professor. Depois de muitos nãos, veio o primeiro sim: uma madeireira forneceu tábuas para a construção das rampas. Tiago usou a madeira e sucata de ferro para criar a estrutura do espaço. Em um mês, as primeiras peças ficaram prontas.


Os treinos de Tiago atraíram as crianças da vizinhança. “Sempre que eu andava, vinha um menino pedir o skate emprestado. Eu vi que alguns eram muito carentes e comecei a montar os skates para eles”, comentou. A partir de tábuas de madeira de segunda mão, rodas e peças doadas por comerciantes, o instrutor fez 10 skates. Com a aquisição de mais 15, ele terá 25 brinquedos para ensinar os jovens.


A escolinha informal conta com 30 alunos. Eles se encontram às terças e quintas-feiras, mas as crianças têm liberdade de decidir quando querem treinar. “É 100% democrático. Eu empresto o material e eles vêm se puderem, se os pais autorizarem. Minha ideia é fazer eles se ocuparem, dar um lazer para essas crianças” comentou Tiago. Como não há skates para todos, os meninos se revezam nas rampas. “Seleciono as crianças com mais necessidades, que não podem comprar um skate”, explica o professor. Não há exigências para entrar na turma: crianças a partir de 7 anos podem ir até a quadra conhecer o esporte sem pagar nada.


A maioria da turma é de meninos, mas o projeto também está abertos para as garotas. A estudante Carolina Cardoso, 11 anos, aprendeu a deslizar nas ruas do Recanto das Emas com a ajuda do irmão mais velho, quando ela tinha 5 anos. “É só prestar atenção nos outros para aprender. As meninas não gostam muito, mas todo mundo leva jeito para andar”, defendeu. O skate não é só brincadeira para Carolina — ela pretende entrar em competições no futuro. “Só tenho que aprender mais um pouco”, completou a menina, que já é craque nos flips.


Ollie


Movimento em que o skatista se abaixa, depois salta com o corpo inclinado para frente. Ao bater no chão, o skate sobe e o skatista usa os pés para retorná-lo à posição original.


Flip
Em uma das manobras mais conhecidas no esporte, o skatista faz o objeto girar com movimentos dos pés. Ele flexiona os joelhos, depois pula. O skate roda no ar e cai no chão virado para cima, assim a pessoa pode continuar o passeio normalmente.


Shape
Tábua de madeira que é a base do skate. Há modelos diferentes, com inclinação específica para certos tipos de manobras. O nose (nariz, em inglês) e o tail (cauda, em inglês) são as partes dianteira e traseira da prancha, respectivamente. Costuma ser decorada com cores e desenhos diversos.


Truck
São os eixos do skate, que seguram as rodas, o amortecedor e os rolamentos. Podem ser feitos de alumínio, plástico ou poliuretano.


Street style
Nessa modalidade, os skatistas praticam o esporte com equipamentos urbanos da cidade. Qualquer banco, escada, meio-fio ou corrimão pode servir para fazer uma manobra.


ONDE TREINAR?


Recanto das Emas
A pista criada por Tiago Barros fica na quadra 101, próximo a um parque de diversões. É facilmente encontrada por quem entra pela avenida principal da cidade.


São Sebastião
A pista fica perto da delegacia da cidade, na avenida Bartolomeu. Ela tem escada, corrimão, trilhos e rampas.


Taguatinga
A rampa half-pipe de cimento fica na Praça do DI.


Brasília
Os skatistas escolheram o Setor Bancário Sul para a prática do skate de rua. A estrutura do setor ajuda nas manobras, com bancos, escadas e rampas.

2 comentários: